EMOÇÕES E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

Por:  Marina Paesano

Este artigo é dedicado aos praticantes da Medicina Tradicional Chinesa e especialmente aos meus  alunos e ex- alunos que me incentivaram a escrevê-lo!

Texto parcialmente extraído do Artigo: Emoções e Medicina Tradicional Chinesa

NATUREZA DA EMOÇÃO

Emoção pode ser definida como um estado de intensa experiência subjetiva, acompanhado por respostas glandulares e por um estado seletivamente generalizado de baixo limiar de respostas.

DIFERENÇAS ENTRE SENTIMENTO E EMOÇÃO

 SENTIMENTO

  • ato ou efeito de sentir
  • aptidão para sentir, sensibilidade
  • estado afetivo complexo e duradouro, ligado a certas emoções ou representações
  • conhecimento imediato, intuição
  • amor, afeição, afeto
  • dor, mágoa, desgosto

EMOÇÃO

  • abalo moral ou afetivo; perturbação, geralmente passageira, provocada por algum fato que afeta o nosso espírito (boa ou má notícia, surpresa, perigo)
  • reação afetiva transitória, de grande intensidade, habitualmente provocada por uma estimulação vinda do meio ambiente
  • sentimento percebido conscientemente
  • impulso que gera os sentimentos, tanto conscientes como inconscientes

Emoção = Energia em movimento.

Ela pode estabelecer ligações biofísicas.

Existe uma espécie de energia que circula pelo corpo e leva informações a todas as células. É uma energia que teria origem no C e está relacionada a nossas emoções.

FATORES DETERMINANTES DAS EMOÇÕES

  • A potencialidade para desenvolver padrões emocionais é geneticamente inerente ao ser humano.
  • Também existem padrões de predisposição geneticamente determinados com relação aos tipos de estímulos que evocam uma particular emoção e com relação às maneiras gerais pelas quais tais efeitos são expressos.
  • Assim, frustrações primariamente inspiram raiva e menos freqüentemente medo, enquanto que a percepção de um perigo evoca mais freqüentemente medo do que raiva.
  • A hierarquia de respostas que podem surgir em conexão com um estado emocional é também, em parte, geneticamente determinada.
  • Fatores ambientais concorrem para determinar as respostas emocionais. Os tipos universais de relações interpessoais e as condições de adaptação ao meio pessoal e social são responsáveis pelo aspecto biopsicológico do comportamento emocional e variações culturais específicas evocando emoções particulares
  • Modos institucionalizados de expressar a afetividade, e preferências estilizadas culturalmente no tipo de resposta emocional apropriada para uma dada situação, são responsáveis pelas diferenças psicosociais nos padrões emocionais.
  • Peculiaridades na reação emocional são determinadas pela variabilidade de experiências e por diferenças nos traços temperamentais.
  • Devido ao fato de serem as emoções multiplamente determinadas, é impossível mesmo num determinado contexto cultural, predizer a partir do estímulo somente, qual será a resposta emocional.
  • A interpretação individual do estímulo é sempre influenciada pela sua experiência particular e pela situação momentânea.
  • A resposta emocional é também determinada, em parte, pela maturidade cognitiva e social, e pela estrutura do EU.

EMOÇÕES E PATOLOGIA:

  • As emoções nem sempre são fatores patológicos, pois o fluxo inconstante das emoções faz parte do comportamento saudável, variando com a pressão ambiental, tendência hereditária, idade, estágio de desenvolvimento e outros fatores.
  • As emoções somente são relacionadas com a desarmonia dos Zang-Fu quando provocam a obstrução do fluxo de Qi ou a tornam irregular (excessos e deficiências), ou quando provocam um desequilíbrio com o predomínio de um Zang Fu sobre o outro.
  • O desequilíbrio emocional pode provocar ou aumentar a desarmonia dos Zang Fu, assim como os distúrbios do Zang Fu podem resultar em distúrbios emocionais.
  • Por ex: um desequilíbrio do F pode aumentar a raiva e a depressão, as quais, por sua vez, agravam o desequilíbrio do F.
  • As relações existentes entre a desarmonia dos Zang Fu e o desequilíbrio emocional, se manifestarão no comportamento, podendo provocar alteração no meio ambiente o que pode agravar a desarmonia interna do indivíduo.
  • A desarmonia emocional está associada aos seguintes distúrbios nos Zang Fu: na formação e transformação de substâncias e na obstrução da circulação de Qi e sangue.

EMOÇÕES E CINCO ELEMENTOS

 MEDO

  • O medo é uma experiência emocional que supõe conhecimento de uma ameaça a algum aspecto de auto-conceito do indivíduo, tal como seu bem estar físico, ou sua auto-estima.
  • Todos estimulantes do medo concretizam alguma ameaça ao EU.
  • Embora envolvendo reações glandulares e motoras, o componente essencial do medo é o conhecimento subjetivo da ameaça seguido da interpretação cognitiva de um estimulante adequado.
  • O medo tem efeito prejudicial na resolução de tarefas delicadas e problemas, mas exerce também ação importante como agente protetor, motivador e socializador.

 CLASSIFICAÇÃO DO MEDO

  • Ansiedade/medo: referem-se a estados elicitados em respostas e ameaças atuais. Ansiedade e insegurança referem-se a ameaças antecipadas.
  • Medo e insegurança referem-se à ameaça ao bem estar físico, enquanto que ansiedade-medo referem-se à auto-estima.
  • O estímulo que provoca a ansiedade é geralmente mais difícil de identificar que aqueles que provocam medo.
  • A repressão do conhecimento temporariamente reduz o medo, mas é prejudicial a longo prazo, porque impede o indivíduo de lidar construtivamente com a ameaça.
  • Ameaças não identificadas tendem a gerar mais medo do que as identificadas, porque o indivíduo não pode preparar suas defesas adequadamente.
  • Assim, surge o mecanismo de deslocamento, concretizando fora do indivíduo a ameaça que ele sentia dentro, e mudando o objeto da ameaça, isto é, em vez de sentir a auto-estima ameaçada, passa a sentir ameaça de algum outro aspecto mais tangível e manejável da segurança física. Fobias são exemplos de tais medos deslocados.

 MEDO E MTC

  •  O medo repentino e temporário tem a conotação de sobrevivência.
  • O Medo que paralisa pode estar associada com deficiência da VB que é a paralisia da indecisão.
  • O medo com reação agressiva (luta) ou com tentativa de escapar do perigo pode estar relacionada com a associação de medo e raiva (R e F).
  • Medo e preocupação estão relacionados a R e BP.
  • O pânico está relacionado ao mecanismo de deslocamento e pode-se relacionar a desarmonia de R e C.
  • Medo e ansiedade podem estar relacionados a desarmonia de R e P.
  • Se o medo for intenso (pavor), o Qi dos Rins pode ficar lesado, havendo perda temporária do controle da micção e evacuação pois este órgão governa os orifícios inferiores, a uretra e o ânus.
  • J.H. Shen é da opinião que a mágoa também pode afetar os Rins e que quando ela fica reprimida pode levar ao enfraquecimento do Qi do C provocando lesão do Qi dos R.

 RAIVA

  • Raiva é uma experiência emocional instigada pela ameaça a um aspecto do EU na qual o conhecimento da ameaça é parcial ou totalmente substituído por um conteúdo subjetivo agressivo e a correspondente atividade nas esferas glandulares e motoras.
  • É freqüentemente despertada por ameaças ao bem estar físico e ao auto-conceito, por ataques à propriedade ou reputação, por frustração dos desejos e objetivos.
  • Raiva e medo são relacionados. Fatores semelhantes são envolvidos em cada um, e um pode dar origem a outro.
  • Pressões familiares e culturais podem inibir em vários graus a expressão da raiva.
  • Comumente, somente os componentes verbais e motores da raiva são inibidos.
  • Algumas vezes, entretanto, o componente subjetivo é também reprimido. Freqüentemente, quando a expressão aberta da raiva é inibida por causa do medo de punição, aparecem outras respostas indiretas como sabotagem, amizade exagerada, injúrias imaginárias.
  • Os fatores que levam à inibição a agressão também favorecem o deslocamento do objeto ou pessoa contra a qual a agressão é dirigida.
  • A raiva que a criança sente dos pais e outras autoridades é freqüentemente deslocada para animais, irmãos, colegas ou expressa em forma de delinquência, atitudes anti-sociais e preconceito racial.
  • À vezes a criança volta sua raiva contra si própria e busca sofrimento a fim de provocar sentimento de culpa nos pais ou envolvê-los em suas dificuldades pessoais.

 Frustração

  •  Frustração pode certamente aumentar a raiva e a agressão, mas estes estados não são exclusivamente causados por ela.
  • A resposta agressiva diante da frustração depende muito da imitação de adultos significantes.
  • As crianças respondem com mais agressão imitativa e raiva se elas vêm um modelo adulto recompensado pela agressão (Bandura, Walters, 1963).
  • Assim como a raiva pode ser instigada por outros excitantes, além da frustração, a frustração também pode conduzir a outras respostas.
  • A frustração pode estar associada com medo, insegurança e ansiedade, com submissão, fuga e dependência.

 RAIVA E MTC

  •  A raiva é uma emoção que impulsiona o indivíduo para a ação. Manifesta-se por uma explosão violenta de emoção.
  • O som que acompanha a explosão é o grito e a forma de ação é o movimento de arrancar, de arrastar.
  • Podem ser acompanhados de face vermelha e de tremores nos músculos. O “tremor com medo” (R) é diferente do “tremor com fúria” (F).
  • A depressão do Qi do F pode estar associada com a frustração, a depressão e com as explosões periódicas de raiva. Isto acontece quando houver muita repressão e frustração e repressão das emoções e das ações.
  • A frustração crônica pode resultar em raiva e depressão que podem aparecer alternadamente.
  • O nervosismo, a irritabilidade e a raiva moderada estão associados com a deficiência do Yin do F e com o excesso do Yang do F.
  • Estas desarmonias podem ser desenvolvidas por irritações e perturbações crônicas, principalmente nos indivíduos hipersensíveis às emoções.
  • A explosão violenta de fúria está associada com o Fogo crescente do F.
  • A raiva pode aparecer como conseqüência do medo (R), por se sentir ameaçado, insultado ou agredido.

ALEGRIA

  •  Fatores que aumentam a auto-estima através da aquisição de novas capacidades e status tornam-se determinantes de alegria.
  • A alegria também aparece após a resolução bem-sucedida de um processo de frustração e de dificuldade.
  • Pode estar relacionada com a excitação, o riso, a conversa e a atividade social ou sexual.
  • Há vários níveis de manifestação desta emoção.

 ALEGRIA E MTC

  •  “O excesso de alegria expande completamente o C, do mesmo modo que o choque e o medo podem contraí-lo por inteiro” (Dr. Shen)
  • A euforia prejudica O C, pois dispersa sua energia, tornando o Shen confuso e sem direção.
  • O Shen enfraquecido pode se apresentar como palidez, apatia, falta de vitalidade e de alegria de viver.
  • A falta de alegria de viver pode ser também ocasionada pela depressão advinda da deficiência do Qi do F.
  • A tristeza, mágoa e melancolia estão relacionadas com a desarmonia do P.
  • O F e o C são os dois órgãos mais envolvidos para o equilíbrio emocional e são também os mais suscetíveis aos distúrbios emocionais.
  • O F é responsável por manter um fluxo suave e uniforme das emoções. Se estiver desequilibrado, as emoções podem se tornar intensas, flutuantes e desapropriadas.
  • O C guarda o Shen e se ele ficar obstruído e perturbado, pode levar a estados extremos de depressão e mania.

ANSIEDADE

  •  É uma variante do medo experienciado em resposta a uma ameaça antecipada ao auto-conceito.
  • Na ansiedade, a fonte de ameaça é menos acessível, identificável e menos exógena. O objeto da ameaça é mais central e a resposta é mais irracional.
  • Nos estados de medo, a ameaça é sempre psicologicamente evidente, identificável.

Tipos de Ansiedade

  •  A ansiedade normal, transacional, aparece durante períodos de crise no desenvolvimento da personalidade. Ocorre com todos nas fases de vida em que são exigidas mudanças rápidas na personalidade. Ex: novas expectativas sociais, a necessidade de cumprir novas tarefas em determinados estágios do desenvolvimento.
  • A ansiedade situacional é um tipo de ansiedade que aparece em relação à ameaça externa ao auto conceito. É uma reação auto protetora que se limita à duração da situação provocadora e é proporcional à ameaça envolvida. Ex: problemas que oferecem a possibilidade de frustração, falha ou perda da auto-estima.
  • A ansiedade endógena é semelhante à situacional, exceto pelo fato de que a ameaça vem mais de dentro do indivíduo do que do meio. Ex: deficiências físicas, motoras, intelectuais e sociais.
  • Na ansiedade neurótica, a resposta de medo é desproporcional ao grau objetivo de ameaça. Está relacionada a uma debilidade de auto conceito . Seus sentimentos de adequação são extremamente vulneráveis em virtude da rejeição crônica.

ANSIEDADE E MTC

  • A ansiedade também descrita na MTC como excesso de pensamentos, reflexão, pensamentos obsessivos, estudar em excesso, etc, podem deprimir as funções de transformação e transporte do BP que estão envolvidos na digestão.

TRISTEZA, ABORRECIMENTO OU MÁGOA

  • Aborrecimento ou tédio é um estado afetivo induzido pela ausência de estimulação ou atividade ou por excesso de satisfação (Levin, 1954).
  • Repetição ou monotonia levam ao tédio.

TRISTEZA E MTC

  • Na MTC, o P está também relacionado à melancolia, a solidão e a angustia.
  • A tristeza também pode ser interpretada como falta de alegria e pode estar associada com a deficiência do Shen.
  • Todas as emoções relatadas podem estagnar o Zhong Qi no tórax, enfraquecendo o P e o C. Isto pode resultar em fraqueza e estagnação de Qi e sangue.
  • A preocupação e a infelicidade enfraquecem a respiração e conseqüentemente o P (Dr. Shen).

 EMOÇÕES E CINCO ELEMENTOS

  •  No ciclo de Geração, cada emoção pode aumentar a próxima. EX: medo gera raiva. No ciclo de Dominância as emoções são restringidas umas pelas outras. Ex: O medo controla a alegria que controla a mágoa.
  • Dentro de cada movimento, o excesso de emoção pode prejudicar o Zang correspondente ou, inversamente, a desarmonia do Zang pode condicionar o aparecimento da emoção. Ex: a raiva em excesso prejudica o F ou a desarmonia do F pode provocar a raiva em excesso.
  • Obs: nem sempre a raiva aumenta a alegria ou a alegria é gerada pela raiva. Outras emoções podem controlar o medo. Não necessariamente somente a Meditação, assim como a mágoa pode prejudicar o F e não o P.
  • A teoria dos cinco elementos e as emoções é limitada, incompleta, rígida e artificial, servindo somente para compreensões preliminares.

YIN E YANG E AS EMOÇÕES

 “Se Yin e Yang estão equilibrados, háo domínio das emoções, se desequilibrados, se perde o equilíbrio”      Suwen

 “O excesso de Yang traz a mania e o excesso de Yin a depressão“  Nanjing 

  • Ausência de manifestação de emoção ou emoção reprimida é Yin.
  • Excesso de emoção é Yang.
  • Algumas emoções são mais Yin e outras mais Yang. Ex: A raiva é mais Yang e ativa do que a preocupação ou a alegria.
  • Cada emoção tem seu aspecto mais Yin ou mais Yang, os quais podem se transformar um no outro. Ex: A frustração pode se transformar em raiva ou depressão.
  • O medo com as características de Yin apresenta-se sob a forma passiva de paralisia, enquanto que o medo Yang relaciona-se com os movimentos de fuga e luta.
  • Uma pessoa com de Yin tende a ter maior irritabilidade, raiva, inquietação, hipersensibilidade e extroversão (def. de Yin aumenta o Yang).
  • Uma pessoa com de Yang tende a ser mais indiferente, menos ativo, mais introvertido e sujeito à depressão (def. de Yang aumenta o Yin).
  • Yin dos Rins def. está relacionado com sintomas de calor e ansiedade. Yang dos Rins def. com sintomas de frio e depressão.

EMOÇÕES E SUBSTÂNCIAS:

 Deficiência de Yang: Deficiência de Qi, Shen (espírito) e Jing.

Características: introversão, depressão, falta de alegria

Deficiência de Yin: Deficiência de Xue e Jin Ye e distúrbio de Shen.

Características: extroversão, ansiedade, mania.

Desarmonias de Sangue e Emoções:

 

 

 

Formação de Sangue

Def. de Qi e Yang de BP e E

 

 

Jing Def

Preocupação e pensamentos obsessivos

 

Medo e pavor

 

Circulação de sangue

Def. de Yang do R

 

C e P

Medo e pavor

 

Tristeza e mágoa

Uniformidade na circulação de sangue Def. de Qi do F Irritação, raiva, frustração, depressão
 

Conservação de Sangue nos vasos

Def. de Qi e Yang do BP

 

 

Calor no sangue do F

Preocupação e pensamentos obsessivos

 

Raiva, irritação, frustração

TRATAMENTOS:

 Casos Gerais: É a maioria dos casos. Abrange os pacientes onde o distúrbio emocional é um componente importante no desequilíbrio com ou sem sintomas presentes.

Doença mental: Desequilíbrio extremo emocional e mental. Geralmente em pacientes internados. Estes tratamentos com acupuntura geralmente são lentos e sujeitos a recaídas.

PRINCÍPIO DE TRATAMENTO: dispersar excesso de Yang, o Fogo crescente, a agitação de vento interno e a mucosidade, harmonizar o Qi, acalmar a mente e clarear o cérebro.

PONTOS: Pontos da cabeça, pontos shu, e como pontos secundários, os pontos dos meridianos dos Rins, Coração, CS e F.

MÉTODOS: Tonificação, sedação, harmonização e, em alguns casos, moxa ou eletroestimulação.

(Todos os direitos reservados)

 

 

 

8 respostas para “EMOÇÕES E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *